TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Após dia de confrontos, Polícia Civil monitora Fallet-Fogueteiro - Editoriais - Band News FM

Polícia

Texto:
+
-

Após dia de confrontos, Polícia Civil monitora Fallet-Fogueteiro

Investigadores desconfiam de uma nova tentativa de invasão ao morro do São Carlos, dominado por uma facção rival

Por Thaiana de Oliveira, às 19:38 - 15/01/2021

Nesta sexta-feira (15), uma operação foi realizada para reprimir a disputa pelo poder do tráfico (Foto: Reprodução/TV Band)

A Polícia Civil monitora as comunidades Fallet e Fogueteiro, após um dia marcado por confrontos nas comunidades da Região Central do Rio. Investigadores desconfiam de uma nova tentativa de invasão ao morro do São Carlos, dominado por uma facção rival.

Nesta sexta-feira (15), uma operação foi realizada para reprimir a disputa pelo poder do tráfico. Três suspeitos morreram e outros três foram presos.

A ação já estava sendo planejada, mas foi antecipada depois da morte de uma moradora durante confronto entre criminosos. A jovem Fabíola Rodrigues de Souza, de 22 anos, foi baleada na quinta-feira (14).

Muito emocionada, a mãe da vítima, Roseli Rodrigues, diz que a jovem deixou quatro filhos:

O setor de inteligência da Polícia Civil descobriu que John Wallace da Silva Viana, apontado como chefe do tráfico de drogas da Rocinha, e outros criminosos do Complexo do Alemão teriam se aliado aos bandidos do Fallet-Fogueteiro para invadir o São Carlos.

A ação desta sexta contou com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais, além de helicópteros e veículos blindados.

Segundo o diretor do Departamento Geral de Polícia da Capital, delegado Antenor Lopes, o uso da aeronave seguiu as determinações do Supremo Tribunal Federal.

Na casa de um dos presos, foram apreendidas uma arma, munições, granadas e drogas. Os agentes ainda se surpreenderam com a estrutura da residência dos bandidos: com uma grande piscina em obra.

A guerra pelo domínio do São Carlos se desenrola desde o ano passado. Em agosto, outra tentativa de invasão gerou dias de pânico e muito tiroteio. Na ocasião, a moradora Ana Cristina da Silva, de 25 anos, morreu baleada ao tentar proteger o filho de 3 anos.

NEWSLETTER
OU