TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Governador em exercício e secretários estaduais também são contemplados com reajuste de 11% nos salários - Editoriais - Band News FM

Política

Texto:
+
-

Governador em exercício e secretários estaduais também são contemplados com reajuste de 11% nos salários

O pagamento de Wilson Witzel acompanhou o reajuste de Cláudio Castro

Por Christiano Pinho e Gustavo Sleman, às 12:31 - 08/01/2021 | Atualizado às 20:32 - 08/01/2021

00:00 / 00:00

Cláudio Castro recebeu de salário bruto, em novembro, R$ 19.681,33, no mês seguinte R$ 21.868,14 (Foto: Philippe Lima/Governo do Estado)

O aumento de 11% das remunerações do governador em exercício e de secretários e subsecretários pode representar um impacto de pelo menos R$ 1 milhão ao longo de 2021 para as contas do estado.

O cálculo estimou o reajuste feito a Cláudio Castro e a membros do secretariado e também considerou que exista pelo menos um subsecretário para cada uma das 23 pastas, já que o governo não informou o número de pessoas que ocupam estes cargos.

Entretanto, o Palácio Guanabara afirma que a medida não causa qualquer efeito cascata, pois o teto do funcionalismo já estava baseado em uma lei de 2014. O reajuste, porém, havia sido derrubado pelo então governador, Luiz Fernando Pezão, por conta da crise fiscal.

De acordo com o governo, a redução foi feita por meio de um despacho interno, o que poderia gerar judicializações e dívidas futuras.

Porém, para o cientista político Guilherme Carvalhido, apesar da medida não ser ilegal, ela gera questionamentos por conta da atual situação financeira do Rio.

No Portal da Transparência já é possível identificar que os pagamentos relativos a dezembro foram feitos aos membros do alto escalão do governo com o acréscimo.

Enquanto o governador em exercício Cláudio Castro recebeu de salário bruto, em novembro, pouco mais de R$ 19 mil, no mês seguinte o pagamento já passou para cerca de R$ 21 mil.

O deputado estadual Flávio Serafini, do PSOL, também fez críticas à medida. O parlamentar informou que assim que o recesso for encerrado na Assembleia Legislativa em fevereiro, vai protocolar um projeto para reduzir os salários dos políticos e secretários.

Na Internet, a medida também gerou polêmicas. Em uma rede social, o governador em exercício Cláudio Castro respondeu aos questionamentos e explicou que não houve nenhum tipo de aumento salarial. Por fim, Castro comentou que a decisão ocorreu por conta de um alerta da Secretaria de Casa Civil e consulta a Procuradoria Geral do Estado.

Segundo o político, o reajuste evitaria questionamentos judiciais pelo não pagamento integral dos subsídios cortados por Pezão.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU