TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Hospitais de campanha de São Gonçalo e de Nova Iguaçu não têm previsão para inauguração - Editoriais - Band News FM

Coronavírus

Texto:
+
-

Hospitais de campanha de São Gonçalo e de Nova Iguaçu não têm previsão para inauguração

Os cronogramas de entrega foram suspensos após o TCE recomendar a interrupção dos pagamentos à OS Iabas

Por Carlos Briggs, às 19:46 - 28/05/2020 | Atualizado às 19:54 - 28/05/2020

00:00 / 00:00

O Ministério Público do Rio identificou indícios de superfaturamento para erguer as unidades (Foto: Divulgação/Governo do Estado)

Não há mais previsão para que os seis hospitais de campanha do Rio sejam abertos à população. Depois que o Tribunal de Contas do Estado recomendou ao governador Wilson Witzel a suspensão de todos os pagamentos para a OS Iabas, responsável pelas obras das unidades dedicadas à Covid-19, o instituto não garante mais qualquer cronograma para a entrega das estruturas. Os conselheiros fizeram a recomendação por encontrarem fortes indícios de irregularidade no contrato firmado com a Secretaria de Estado de Saúde.

Diante do cenário de incertezas, o Iabas informou, pela sexta vez, que a unidade em São Gonçalo, na Região Metropolitana, não vai ser aberta ao público, assim como o hospital de campanha de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ambos seriam inaugurados nesta sexta-feira (29).

O segundo vice-presidente do Cremerj, Ricardo Azêdo, destaca que alguns hospitais de campanha não conseguem comprovar sequer a escala médica da unidade, comprovando que não estão aptos a receber pacientes.

A organização social também não revelou se fez as adequações de gastos para construção dos hospitais de campanha. O Ministério Público do Rio também identificou indícios de superfaturamento para erguer as unidades. Pelo contrato, com dispensa de licitação e assinado com o Governo do Rio, uma estrutura com capacidade para 200 leitos custaria algo em torno de R$ 120 milhões. Na iniciativa privada, um hospital de campanha, com o mesmo número de vagas e mais respiradores, custou entre R$ 45 milhões e R$ 50 milhões.

A denúncia, exclusiva da BandNews FM, revela que o Palácio Guanabara autorizou gastar mais do que o dobro para construir uma unidade de saúde do que o valor praticado pelo mercado.

Pelo contrato, o Governo do Rio se comprometeu a pagar aproximadamente R$ 850 milhões, sendo uma parte do valor desembolsado antecipadamente. Em contra partida, o Instituto deveria abrir sete hospitais de campanha até o dia 30 de abril. Atualmente, apenas a estrutura construída no Maracanã recebe pacientes com covid-19.

A Secretaria de Estado de Saúde destacou que o valor global foi pago a OS Iabas, responsável por gerir o repasse de acordo com as necessidades das obras. Já a OS Iabas declarou que o valor final gasto na construção do hospital de São Gonçalo foi inferior aos R$ 120 milhões, mas não informou o valor gasto e se fez as adequações recomendadas pelo Ministério Público do Rio, até o fechamento desta edição.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU