TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Pesquisa do Ipea mostra que inflação foi mais sentida por famílias de baixa renda - Editoriais - Band News FM

Economia

Texto:
+
-

Pesquisa do Ipea mostra que inflação foi mais sentida por famílias de baixa renda

O estudo considerou o acumulado entre janeiro e maio deste ano

Por Carlos Briggs, às 18:05 - 17/06/2020 | Atualizado às 18:05 - 17/06/2020

00:00 / 00:00

O preço da carne deve subir ainda mais até o fim de junho e, na avaliação de especialistas, a alta nos preços deve atingir mais intensamente os mais pobres.

Dados de pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada indicam que as famílias de baixa renda sentiram mais os efeitos da inflação nos cinco primeiros meses do ano.

O resultado do Ipea, divulgado nesta quarta-feira (18), mostrou ainda que a inflação foi maior para as famílias que ganham até aproximadamente mil e quinhentos reais, com alta de cerca de meio por cento. O estudo considerou o acumulado entre janeiro e maio deste ano.

A economista e pesquisadora do Instituto, Maria Andrea Lameiras, explica que o segmento de alimentos foi um dos vilões para as classes menos abastadas.

A pandemia da Covid-19 contribuiu para a elevação no preço dos alimentos, por causa do aumento da procura nos supermercados. A entressafra do feijão e a sazonalidade dos ovos, que têm mais consumo durante a Semana Santa, também puxaram os preços da inflação para cima.

No entanto, especialistas apontam a alta do dólar como fator fundamental para que a comida ficasse mais cara, sobretudo aquelas derivadas de trigo. Mas, dentro deste cenário, o economista da Fundação Getúlio Vargas, André Braz, destaca ainda que a retomada parcial da economia da China, principal compradora da carne brasileira, desaqueceu o comércio interno do Brasil.

Já o indicador para mais ricos, com rendimento acima de pouco mais de R$ 15 mil, apresentou deflação de meio por cento.

Destaque para as passagens aéreas, que tiveram queda 39%, e para os combustíveis, com recuo de 15%, segmentos apontados também por especialistas como voltados prioritariamente para as famílias com maior poder aquisitivo.

O mês de maio também apresentou deflação para todos os segmentos, mas de forma mais intensa para a faixa de renda mais alta, com retração de 0,6%. Já as famílias de baixa renda tiveram desaceleração mais modesta: 0,2%.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU