TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Polícia Civil faz operação de combate a fraudes em venda de produtos online - Editoriais - Band News FM

Polícia

Texto:
+
-

Polícia Civil faz operação de combate a fraudes em venda de produtos online

Entre os investigados estão o dono e funcionários de uma agência dos Correios

Por Caroline Lacerda, às 12:33 - 25/10/2017 | Atualizado às 13:32 - 25/10/2017

O dono de uma agência dos Correios e funcionários são suspeitos de um esquema fraudulento que gerava cerca de 1 milhão e 200 mil reais. A Polícia Civil realiza, nesta quarta-feira (25), a operação para combater o grupo criminoso que vendia produtos pela internet.

Os agentes identificaram mais de 600 anúncios fraudados e a utilização irregular de mais de 3 mil etiquetas de códigos de barra. Ao todo, 20 pessoas estão sendo investigadas.

A Operação Arquimedes também cumpre mandados expedidos em quatro endereços residenciais.

Entre os acusados, está o dono de uma agência dos Correios no Centro de Japeri, na Baixada Fluminense, onde os policiais cumpriram mandado de busca e apreensão. Oito envolvidos estão ligados diretamente ao estabelecimento, como funcionários e parentes deles.

Além disso, outras 12 pessoas são investigadas por postarem anúncios na internet e emitirem códigos de barra de forma fraudulenta.

ESQUEMA DA QUADRILHA

Segundo as investigações, a quadrilha anunciava no site Mercado Livre produtos de baixos valores. Quando a compra era realizada, uma etiqueta com código de barras era gerada para envio pelos Correios, mas os criminosos cancelavam a venda e usavam o código já emitido para enviar produtos maiores e mais caros, como móveis.

A agência dos Correios envolvida no esquema cobrava, então, do site, o excesso de peso da mercadoria postada, conforme previsto em contrato.

 Os policiais apreenderam até o momento computadores e documentos. Duas pessoas estão sendo conduzidas para a delegacia para prestarem depoimento. Os investigados serão indiciados por estelionato, falsidade ideológica e associação criminosa.

A Delegacia de Defraudações ainda trabalha para identificar outros envolvidos no esquema.

NEWSLETTER
OU