TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Polícia mira empresários e políticos depois de prender 15 milicianos em uma semana - Editoriais - Band News FM

Polícia

Texto:
+
-

Polícia mira empresários e políticos depois de prender 15 milicianos em uma semana

Nesta quarta-feira (9), a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, prendeu dois suspeitos de integrar organizações paramilitares, em Austin, Nova Iguaçu

Por Marcus Sadok, às 11:06 - 09/10/2019 | Atualizado às 13:52 - 09/10/2019

00:00 / 00:00

Polícia prende prende 12 milicianos em uma semana (Foto: Divulgação)

Depois da prisão de 15 milicianos de diferentes regiões do estado do Rio, em menos de uma semana, a próxima etapa da investigação da Polícia Civil é prender empresários e políticos que integram as organizações paramilitares e são responsáveis por lavar e lucrar com a movimentação financeira do crime.

Nesta quarta-feira (9), a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, prendeu dois suspeitos de participação em uma milícia, em Austin, Nova Iguaçu. Ao todo, 43 mandados de busca e apreensão são cumpridos, com objetivo de colher provas para novas investigações.

Mais de 500 mil pessoas moram nas regiões onde ocorreram as últimas operações em áreas controladas por milicianos, como Campo Grande e Santa Cruz, na Zona Oeste e Araruama, na Região dos Lagos.

Dados do Instituto de Segurança Pública do Rio mostram que entre janeiro e agosto deste ano, 87 pessoas foram assassinadas nesses locais.

O modus operante da milícia inclui extorsão de moradores e comerciantes, taxas em troca de serviços básicos, como "segurança" e "gás", além de tortura e assassinatos.

O delegado Gabriel Ferrando destaca que cerca de 80% das ações da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas tem origem em denúncias anônimas e delações.

Em menos de uma semana, a quantidade de armas e munição apreendidas também chama a atenção dos investigadores. Fuzis, pistolas, espingardas e centenas de munições estavam com os milicianos presos.

Segundo a Polícia Civil, um fuzil comprado no mercado paralelo, sai em média R$ 40 mil.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU