TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Primeira Bailaria do Theatro Municipal do Rio morre aos 92 anos - Editoriais - Band News FM

Cidade

Texto:
+
-

Primeira Bailaria do Theatro Municipal do Rio morre aos 92 anos

Tamara Capeller foi cremada nesta segunda-feira (3)

Por Caroline Lacerda, às 21:36 - 03/08/2020 | Atualizado às 23:21 - 03/08/2020

00:00 / 00:00

Em nota, o Theatro Municipal lamentou a morte da bailarina (Foto: Theatro Municipal / Redes Sociais )

Considerada a Primeira Bailarina do Theatro Municipal do Rio, Tamara Capeller, morreu aos 92 anos.

A artista estava internada no Hospital Pró-Cardíaco de Botafogo, na Zona Sul da cidade. A causa da morte, na noite de domingo (3), não foi divulgada.

A filha de Tamara, Melissa Melo, conta que a mãe estava com a saúde fragilizada, inclusive, com problemas nos rins.

Tamara Capeller foi promovida ao cargo de Primeira Bailarina em 1945. A atuação dela em "O Cisne Negro", um ano depois, fez com que a artista fosse considerada uma das bailarinas mais aplaudidas da casa.

O marido, Nelson Mello, fala que o amor de Tamara pela música surgiu quando ela era criança.

Em nota, o Theatro Municipal lamentou a morte da bailarina.

Tamara Capeller foi cremada nesta segunda-feira (3).

Nota Theatro Municipal do Rio:

“A dança se despede de Tamara Capeller neste domingo dia 2 de agosto.

Tamara Capeller foi aluna de Maria Olenewa na Escola de Danças Clássicas do Theatro Municipal hoje Escola Estadual de Dança Maria Olenewa.

Ingressou no corpo de baile e em 1945 foi promovida ao cargo de Primeira Bailarina. Sua atuação no Pás de Deux O Cisne Negro em 1946 fez com que ela fosse considerada uma das bailarinas mais aplaudidas da casa. Outra atuação inesquecível foi no ballet Coppelia em remontagem de Tatiana Leskova.

Com este ballet ela se despediu dos palcos em 1958 sendo considerada uma das principais Swanildas da casa. Depois dedicou sua carreira ao ensino,  coreografia e a poesia. Retornou a Escola de Dança como professora até se aposentar.

Nos anos 90 promoveu uma serie de eventos que uniram a dança a poesia e história, dentre uma memorável exposição no Museu Nacional de Belas Artes intitulada "sob as Luzes douradas" que contava a história da dança no Brasil nos 50. Sua história foi contada na Coleção Memória lançada pela Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro.”

NEWSLETTER
OU