TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Roberta Medina afirma que nova edição do Rock in Rio será da "experiência" - Editoriais - Band News FM

Rock in Rio

Texto:
+
-

Roberta Medina afirma que nova edição do Rock in Rio será da "experiência"

Vice presidente defendeu inclusão e respeito como marcas do evento

Por Cesar Cavalcanti, às 19:51 - 12/09/2017

Roberto Medina comentou momento de crise econômica, mas exaltou a capacidade da cidade (Foto: Cesar Cavalcanti)

Os números do Rock in Rio na nova casa, o Parque Olímpico, impressionam: são 300 mil m², só a área de público é maior que a antiga Cidade do Rock.

São 8 palcos, 3 deles novos. Oitenta mil m² de grama sintética pra receber uma multidão de fãs: 700 mil pessoas vão assistir aos 7 dias de shows.

Pra tudo isso a equipe é grande: são 28 mil funcionários no parque, 120 mil km de cabos pra conectar os equipamentos e levar muita música ao público.

Em discurso à imprensa, no tradicional "preview" do festival, o idealizador Roberto Medina comentou o momento de crise econômica no Rio, mas exaltou a capacidade da cidade. 

- "O carioca está com sensação de vira-lata maior do que o que está acontecendo aqui. O que está acontecendo aqui no Rio é prova da exuberância do empresariado que sobrou no Rio de Janeiro", disse o empresário após a divulgação dos números do evento.

Já o prefeito Marcelo Crivella fez críticas à imprensa e foi otimista ao avaliar o cenário atual no município:

- O Roberto Medina disse sobre esse sentimento que precisa estar na alma do povo carioca. E infelizmente, nós somos desalentados todos os dias com um noticiário que não é o retrato exato da nossa cidade. E mais: nós estamos melhorando. A criminalidade tá baixando, o emprego está voltando. Os investimentos em saúde e educação estão sendo maiores do que no ano passado", avaliou antes de receber uma guitarra de Medina, que a classificou como a "chave da Cidade do Rock".

Já a vice-presidente executiva do festival, Roberta Medina, disse que essa edição será a da "experiência" e defendeu a inclusão e o respeito como marcas deste Rock in Rio.

Como o espaço do evento é maior, o atendimento também cresceu: são mais bares, mais lojas que na última edição, em 2015.

Mas pra chegar, o transporte coletivo é a opção. Seja de metrô e BRT ou pelos "ônibus 1ª classe" que partem de 17 pontos do Rio. De carro, só pelo Parque Aquático Maria Lenk, e daí a volta que o motorista precisa dar é bem grande.

Nesta edição, a Rockstreet vai fazer os fãs passearem pela cultura africana, isso depois de o espaço remontar New Orleans, Grã Bretanha e o próprio Brasil, nas edições anteriores. Pra isso, um elefante cenográfico de 3 metros de altura e 6 metros de largura vai dar as boas vindas. Dois lagos artificiais também vão compor o ambiente.

Para quem é de aventura, a montanha russa, a roda gigante, a tirolesa e outros brinquedos estão confirmados, mas com uma alteração: desta vez não vai ser mais preciso pegar filas. Com a tecnologia das pulseiras magnéticas, vai ser possível agendar o horário pela internet e andar no brinquedo.

Nomes como Lady Gaga, Maroon Five, Justin Timberlake, Guns N' Roses, The Who, Aerosmith, Red Hot Chilli Peppers e tantos outros vão capitanear os 7 dias do evento.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas, o Rock in Rio deve injetar R$1,4 bilhão na economia da cidade.

 

Ouça a reportagem no player.

NEWSLETTER
OU