TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Troca de informações entre funcionários aponta superlotação na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Campanha do Riocentro - Editoriais - Band News FM

Saúde

Texto:
+
-

Troca de informações entre funcionários aponta superlotação na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Campanha do Riocentro

A Secretaria Municipal de Saúde afirma que o município precisa de apoio do Governo do Estado para a contratação de funcionários e de insumos para que novos leitos possam ser abertos

Por Júlia Kallembach e Daniella Dias, às 18:52 - 28/11/2020 | Atualizado às 00:19 - 29/11/2020

00:00 / 00:00

Leitos do Hospital de Campanha do Riocentro (Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio)

Um e-mail enviado pela equipe do Hospital de Campanha do Riocentro para as centrais de regulação de vagas para pacientes contaminados pela covid-19 mostra que a Unidade de Terapia Intensiva do local está superlotada. O hospital, na Zona Oeste, é o único em funcionamento no Rio e possui 300 leitos, sendo 67 de UTI.

De acordo com o jornal O Globo, na mensagem uma funcionária pede para que pacientes em estado grave não sejam transferidos, já que todas as vagas da UTI estão ocupadas.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde classificou o e-mail como uma comunicação de rotina, mas não negou que o Hospital de Campanha esteja com superlotação. Segundo a pasta, o município precisa de apoio do Governo do Estado para a contratação de funcionários e de insumos para que novos leitos possam ser abertos.

Nesta semana, o Secretário Estadual de Saúde descartou a reabertura de hospitais de campanha, que foram construídos para evitar colapso do sistema de Saúde. 214 leitos prometidos esta semana ainda não foram liberados.

Para o especialista em Saúde Pública da UFRJ Leonardo Mattos as unidades de campanha foram um desperdício de dinheiro público que custaram vidas.

Autoridades ainda evitam falar em segunda onda de contaminação. Enquanto isso, especialistas afirmam que o país não conseguiu controlar nem a primeira.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU