TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Após Paes tentar vender imóvel ocupado por escola, vereadores se unem para tombar espaço - Editoriais - Band News FM

Política

Texto:
+
-

Após Paes tentar vender imóvel ocupado por escola, vereadores se unem para tombar espaço

Dos 51 parlamentares, 35 já assinaram o documento que determina o tombamento da Escola Municipal Doutor Cícero Penna

Por Guilherme Persil, às 20:56 - 04/05/2021

00:00 / 00:00

Escola Municipal Doutor Cícero Penna, em Copacabana, na Zona Sul do Rio (Foto: Reprodução/Google Maps)

Após o prefeito do Rio, Eduardo Paes, tentar vender um imóvel ocupado por uma escola municipal em Copacabana, vereadores se unem para derrubar o projeto.

Dos 51 parlamentares, 35 já assinaram o documento que determina o tombamento da Escola Municipal Doutor Cícero Penna, por interesse educacional e social. Com a aprovação da lei, ficará proibida a demolição da escola.

Na sexta-feira (30), Eduardo Paes enviou um projeto para Câmara do Rio pedindo a alienação de 15 imóveis que pertencem ao município. Entre os locais, está a escola que fica na Avenida Atlântica. A Prefeitura quer vender o terreno, planejando a construção de um prédio de até 12 andares.

Na justificativa, o prefeito afirmou que a alienação dos bens visa organizar, revitalizar e dinamizar as áreas envolvidas, além de aumentar a arrecadação do Município, tirando da Prefeitura a responsabilidade de pagar taxas e manutenções.

Para o vereador César Maia, um dos autores do projeto que pede o tombamento da escola, a unidade é fundamental para os estudantes da região, além de beneficiar a área urbanística.

A vendedora Camila Maia é mãe de um aluno de seis anos de idade e diz ser totalmente contra a venda do espaço.

A escola funciona no bairro há mais de 55 anos. O espaço foi doado pelo médico Cícero Penna, que desejava que a casa virasse uma instituição de ensino, após a morte dele. Atualmente, centenas de crianças da Ladeira dos Tabajaras, Chapéu Mangueira e comunidades da região estão matriculadas na unidade.

A Prefeitura do Rio foi procurada, mas ainda não respondeu.

NEWSLETTER
OU