TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Até confirmação do impeachment, Wilson Witzel acumulou polêmicas e derrotas em votações - Editoriais - Band News FM

Política

Texto:
+
-

Até confirmação do impeachment, Wilson Witzel acumulou polêmicas e derrotas em votações

A gestão do ex-juiz federal foi marcada por cenas e declarações polêmicas

Por Gustavo Sleman, às 15:14 - 02/05/2021

00:00 / 00:00

Wilson Witzel foi eleito em 2018 e é o primeiro governador a sofrer impeachment no RJ (Foto: Agência Brasil)

Do fenômeno eleitoral ao afastamento definitivo do cargo, Wilson Witzel entrou para a História, mas não da forma como prometeu durante toda campanha e gestão. Apesar da promessa de acabar com a corrupção, o ex-juiz federal foi o primeiro governador do Rio a sofrer impeachment, condenado por crimes de responsabilidade. 

Entre a posse e o impedimento, foram dois anos e quatro meses, contando o tempo em que ficou afastado por decisões do Superior Tribunal de Justiça e da Assembleia Legislativa. Durante todo esse período, Witzel acumulou polêmicas e derrotas em votações decisivas.

Antes mesmo de assumir a gestão do Palácio Guanabara, o ex-governador dividiu opiniões ao defender que bandidos flagrados com fuzis deveriam ser 'abatidos'.

Já em 2021, mudou o tom em vídeo gravado durante culto religioso.

A frente do governo, Witzel apresentou uma novidade: uma faixa semelhante a presidencial, mas com as cores da bandeira do estado. No Carnaval de 2019, usou um colete que o identificava como governador.

Em diversas entrevistas, Wilson Witzel não escondia a intenção de se candidatar à presidência da República, o que causou mal estar com Jair Bolsonaro e em seguida um rompimento definitivo entre os dois. Witzel também sofreu críticas do vice-presidente Hamilton Mourão, após publicar a conversa entre os dois sobre alagamentos no Norte Fluminense.

Para o cientista político Guilherme Carvalhido, Witzel foi soberbo em muitas ocasiões e acabou fracassando como símbolo da chamada nova política. A área de segurança pública foi outro ponto muito debatido durante a gestão do governador impichado. Em cerimônia no Batalhão de Operações Especiais, ganhou um quadro com seu rosto feito de projéteis.

Em outro episódio, dentro de um helicóptero, Witzel acompanhou policiais em operação na cidade de Angra dos Reis. Na ocasião, moradores afirmaram que disparos feitos pela aeronave atingiram uma tenda montada por um grupo religioso.

Witzel voltou a se envolver em polêmica quando em agosto de 2019 apareceu comemorando o desfecho de um sequestro na Ponte Rio-Niterói, que acabou com a morte do criminoso.  Em outro momento, o ex-governador chegou a dizer que usuários de maconha flagrados em praias seriam levados para delegacia.

As polêmicas também se estenderam ao futebol, quando foi ignorado pelo atacante Gabigol durante comemoração do título da Libertadores do Flamengo no Peru. As derrotas em votações decisivas também de goleada. Na abertura do processo de impeachment na Alerj em junho de 2020 foram 69 votos contra Witzel. Em setembro daquele ano, por 14 votos a 1, o STJ manteve o afastamento temporário dele do cargo.

Ele também sofreu outras derrotas na Assembleia, como a comissão especial de impeachment instalada, e em seguida, 69 dos 70 deputados da Casa votaram pela continuidade do processo.

Na última sexta (30), no julgamento que selou o futuro de Witzel, o placar ficou em 10 a 0. O sétimo voto, que configurou a maioria necessária para o impedimento, foi do deputado Alexandre Freitas, do Novo. Um dos autores do pedido de impeachment na Alerj, o parlamentar Luiz Paulo, do Cidadania, acredita que cumpriu o papel de fazer justiça.

Wilson Witzel também perdeu os direitos políticos por cinco anos. Após o resultado, o agora ex-governador disse ser inocente e que sofre perseguição política. Ele estuda recorrer da decisão.

  • Uma novidade na gestão de Witzel foi a faixa de governador (Foto: Carlos Magno | Gov-RJ)
  • Durante troca do comando do Bope, Witzel ganhou  ganhou um quadro com seu rosto feito de projéteis (Foto: Carlos Magno | Gov-RJ)
  • No Carnaval de 2019, Witzel utilizou um colete que o identificava como governador (Foto: Nelson Perez/Divulgação)
  • Witzel chegou ao Palácio Guanabara após associar seu nome ao de Jair Bolsonaro. A relação acabou sendo rompida (Foto: Fernando Frazão | Agência Brasil)
  • O impeachment de Wilson Witzel foi definido em julgamento no dia 30 de abril (Foto: Brunno Dantas | TJ-RJ)
  • Uma novidade na gestão de Witzel foi a faixa de governador (Foto: Carlos Magno | Gov-RJ)
  • Durante troca do comando do Bope, Witzel ganhou ganhou um quadro com seu rosto feito de projéteis (Foto: Carlos Magno | Gov-RJ)
  • No Carnaval de 2019, Witzel utilizou um colete que o identificava como governador (Foto: Nelson Perez/Divulgação)
  • Witzel chegou ao Palácio Guanabara após associar seu nome ao de Jair Bolsonaro. A relação acabou sendo rompida (Foto: Fernando Frazão | Agência Brasil)
  • O impeachment de Wilson Witzel foi definido em julgamento no dia 30 de abril (Foto: Brunno Dantas | TJ-RJ)
  • Uma novidade na gestão de Witzel foi a faixa de governador (Foto: Carlos Magno | Gov-RJ)
  • Durante troca do comando do Bope, Witzel ganhou  ganhou um quadro com seu rosto feito de projéteis (Foto: Carlos Magno | Gov-RJ)
  • No Carnaval de 2019, Witzel utilizou um colete que o identificava como governador (Foto: Nelson Perez/Divulgação)
  • Witzel chegou ao Palácio Guanabara após associar seu nome ao de Jair Bolsonaro. A relação acabou sendo rompida (Foto: Fernando Frazão | Agência Brasil)
  • O impeachment de Wilson Witzel foi definido em julgamento no dia 30 de abril (Foto: Brunno Dantas | TJ-RJ)
NEWSLETTER
OU