TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Bens de Eduardo Paes são bloqueados pela Justiça no processo que apura irregularidades em licitação de ônibus - Editoriais - Band News FM

Justiça

Texto:
+
-

Bens de Eduardo Paes são bloqueados pela Justiça no processo que apura irregularidades em licitação de ônibus

Também nesta terça-feira (20), o candidato à Prefeitura do Rio teve o pedido de habeas corpus negado pelo TRF-2 em ação que responde por corrupção

Por Ryan Lobo, às 21:39 - 20/10/2020 | Atualizado às 23:18 - 20/10/2020

00:00 / 00:00

Nas redes sociais, Eduardo Paes se defendeu sobre decisão do TJ do Rio (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O candidato à prefeito do Rio Eduardo Paes teve duas derrotas judiciais nesta terça-feira (20).

Na Justiça Federal, Paes teve o pedido de habeas corpus negado pela segunda turma do Tribunal Regional Federal da Segunda Região. A relatora do caso, a desembargadora Simone Schreiber, votou a favor do recurso, no entanto, a maioria foi formada pelos votos dos desembargadores Marcello Granado e Andrea Barsotti, que votaram contra o pedido de Eduardo Paes.

O ex-prefeito pedia o fim de uma ação penal em que ele é acusado pelo Ministério Público Federal da prática dos crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica e fraude em licitação.

Segundo o MPF, as ilegalidades aconteceram durante contratação da empreiteira encarregada das obras de construção do Complexo Esportivo de Deodoro, usado nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

Para o desembargador federal Marcello Granado, Eduardo Paes tinha conhecimento das fraudes licitatórias para a construção do espaço.

A defesa de Eduardo Paes sustentava que a acusação estava amparada em depoimento isolado do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, e não haveria provas dos crimes imputados.

Em outro caso, a Justiça do Rio determinou a indisponibilidade de bens de Eduardo Paes, da Rio Ônibus, e de consórcios de empresas de transporte. Eles são acusados de fraudar licitações em contratos do serviço de ônibus no município do Rio. O pedido havia sido feito pelo Ministério Público do Rio.

Segundo a decisão, foi identificada ainda a prática de custeio em duplicidade das gratuidades no transporte por ônibus intermunicipais, o que gerou prejuízos aos cofres públicos municipais.

Nas redes sociais, Eduardo Paes se defendeu.

Em nota, o ex-prefeito disse que confia na Justiça e segue à disposição para prestar esclarecimentos.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU