TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Caso Henry: mensagens apontam rotina de desentendimentos entre Jairinho e Monique Medeiros - Editoriais - Band News FM

Polícia

Texto:
+
-

Caso Henry: mensagens apontam rotina de desentendimentos entre Jairinho e Monique Medeiros

Três dias antes do assassinato da criança, a professora pediu que o político saísse de casa, com a condição que ele continuasse pagando as contas dela

Por Rafaela Cascardo, às 21:20 - 04/05/2021

Jairinho e Monique Medeiros foram indiciados por homicídio duplamente qualificado (Foto: Reprodução/TV Band)

Indiciados pela morte do menino Henry Borel, de 4 anos, o vereador Jairinho e a professora Monique Medeiros tinham uma rotina de desentendimentos, sendo o mais grave três dias antes do assassinato da criança, quando Monique pediu que o político saísse de casa, com a condição que ele continuasse pagando as contas dela. Caso contrário, Monique teria dito que iria prejudicá-lo.

As informações foram obtidas através de mensagens recuperadas pela Polícia no celular da babá Thayná Oliveira, que mostram que nesse episódio Monique pensou em se separar do político após relatar ser agredida por ele.

Jairinho e Monique Medeiros foram indiciados por homicídio duplamente qualificado com uso de tortura e sem chance de defesa da vítima, com pena de 12 a 30 anos de prisão.

O político também pode responder por tortura, já que a polícia tem provas de que ele agrediu Henry pelo menos três vezes no mês anterior ao assassinato do menino.

Por esse crime, ele pode pegar de dois a oito anos de prisão. Monique também deve responder por tortura por omissão, com pena de um a quatro anos de prisão, já que ela tinha conhecimento de pelo menos um episódio de agressão, mas não defendeu o menino.

O delegado responsável pela investigação, Henrique Damasceno, descartou a possibilidade de ouvir novamente a mãe de Henry.

Um outro inquérito foi aberto para investigar a babá de Henry, Thayná Ferreira, pelo crime de falso testemunho, já que num primeiro depoimento à polícia, ela não contou que sabia das agressões. Em trocas de mensagens com o noivo, Thayná contou que Henry chegou a rasgar a blusa dela num momento de pânico fugindo de Jairinho. A babá contou ao noivo que o parlamentar deu R$ 100 para que ela não contasse o motivo de estar com a roupa rasgada.

A defesa de Monique afirmou que o inquérito foi finalizado com erros. A defesa de Jairinho não comentou o assunto.

O inquérito da morte de Henry foi finalizado nesta segunda-feira com 110 páginas, 32 depoimentos realizados e três perícias feitas na residência do casal, onde o crime aconteceu.

Agora o inquérito está com o Ministério Público, que tem até mais 4 dias para decidir se vai oferecer a denúncia à Justiça.

NEWSLETTER
OU