TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Conselho de Ética decide pedir abertura do processo de cassação do mandato de Jairinho - Editoriais - Band News FM

Política

Texto:
+
-

Conselho de Ética decide pedir abertura do processo de cassação do mandato de Jairinho

Todo processo até a cassação ir a voto aberto na Câmara dos Vereadores pode demorar entre 60 e 70 dias

Por Rafaela Cascardo, às 20:10 - 26/04/2021

00:00 / 00:00

Jairinho está preso pela morte do enteado, o menino Henry, de 4 anos (Foto: Divulgação/Câmara Municipal do Rio)

A Câmara de Vereadores do Rio deve votar, daqui a cerca de 70 dias, a cassação ou não do vereador Jairinho, preso pela morte do enteado, o menino Henry Borel, de 4 anos.

O Conselho de Ética da Câmara decidiu, nesta segunda-feira, de forma unânime, fazer o pedido pela cassação.

Segundo o presidente do conselho, vereador Alexandre Isquierdo, as investigações da polícia indicam que Jairinho cometeu o crime e que isso já é considerado quebra de decoro.

A representação pela cassação está com a Mesa Diretora, que faz uma análise e encaminha, no prazo de três dias úteis, para a Comissão de Justiça e Redação, que é considerada a mais importante da casa e era presidida justamente por Jairinho. Todo o processo até a cassação ir a voto aberto no plenário da Câmara deve demorar 70 dias.

Para que o mandato de Jairinho seeja cassado, é necessário que dois terços dos vereadores votem a favor.

O conselho é formado pelos vereadores Alexandre Isquierdo, Rosa Fernandes, Dr. Rogério Amorim, Chico Alencar, Zico Papera, Teresa Bergher e Luiz Carlos Ramos Filho. Completam o grupo, como suplentes, Vitor Hugo e Wellington Dias.

Jairinho já tinha sido expulso do partido Solidariedade e afastado da Comissão de Justiça e Redação da Câmara.

Nesta segunda-feira (26), a defesa de Monique Medeiros, mãe do menino Henry e namorada de Jairinho, protocolou na delegacia que investiga o caso uma carta de 29 páginas, escrita na prisão, na qual conta que que já sofreu agressões e ameaças por parte do vereador, e define o relacionamento deles como abusivo.

Monique muda a versão apresentada em depoimento à polícia e afirma que vinha sendo manipulada. Ela diz que tentava se afastar de Jairinho, mas era ameaçada, assim como a família dela.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU