TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Em depoimento ao Conselho de Ética da Câmara, Flordelis chora e diz que já foi agredida pelo marido - Editoriais - Band News FM

Política

Texto:
+
-

Em depoimento ao Conselho de Ética da Câmara, Flordelis chora e diz que já foi agredida pelo marido

A afirmação foi feita nesta quinta-feira (13), durante as quatro horas em que falou no processo que julga a cassação do mandato

Por Rafaela Cascardo, às 21:53 - 13/05/2021

00:00 / 00:00

Flordelis é acusada pelo Ministério Público de ser a mandante da morte do marido (Foto: Reprodução/TV Câmara)

A deputada federal Flordelis chorou durante depoimento ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, e disse que já foi agredida pelo marido, o pastor Anderson do Carmo, morto a tiros em junho de 2019, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

A afirmação foi feita nesta quinta-feira (13), durante as quatro horas em que falou no processo que julga a cassação do mandato dela por quebra de decoro parlamentar. Flordelis é acusada pelo Ministério Público de ser a mandante do crime.

Ela mudou o tom do que vinha falando antes. Disse que está fazendo tratamento psicológico e que, através das terapias, tem percebido que o relacionamento com Anderson pode ter sido abusivo.

Ela afirmou que agora quer levantar a bandeira de que as mulheres precisam se amar mais e alertar para que elas não sejam dependentes dos homens. A deputada disse ainda que a cassação do mandato dela seria injustiça e crueldade, e negou ter sido a mandante do assassinato.

Flordelis afirmou ainda que ela era a parlamentar, mas que Anderson era o articulador. A parlamentar disse que lutou muito pelo mandato de deputada e que enfrenta preconceitos por ser mulher negra.

O relator do caso, deputado Alexandre Leite, questionou se ela sabia que o marido estava sendo envenenado. Flordelis negou e expressou estranheza com a acusação, já que, segundo ela, ele mesmo costumava se servir. Ela afirmou que ele tinha crises de ansiedade, e atribuiu a isso o emagrecimento repentino do marido.

Flordelis afirmou ainda que o celular dela foi usado por alguns filhos para planejar a morte de Anderson. Ela argumenta dizendo que só ficou sabendo disso depois, já que, segundo ela, os filhos mandavam mensagens e depois apagavam o conteúdo.

A deputada respondeu as denúncias de que a tornozeleira eletrônica que ela usa teria sido violada 17 vezes. Flordelis contou que percebeu que poderia ter algo de errado com o equipamento e foi duas vezes a Secretaria de Administração Penitenciária. Na primeira, ela foi informada que era normal haver falhas de sinais. Na segunda visita, a tornozeleira estaria com um chip defeituoso e foi trocada.

Flordelis, que também é pastora e cantora gospel, contou que teve problemas financeiros e que precisou fechar oito igrejas após a morte do marido. Somente uma, onde funciona a sede, permanece aberta.

Depois do depoimento desta quinta-feira (13), o relator Alexandre Leite vai elaborar parecer sobre a cassação da parlamentar. Após a apresentação do documento, a decisão vai à votação em plenário.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU