TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Jovem preso ao ser confundido com filho de traficante deixa Cadeia Pública de Benfica - Editoriais - Band News FM

Justiça

Texto:
+
-

Jovem preso ao ser confundido com filho de traficante deixa Cadeia Pública de Benfica

Vinicius Matheus Barreto Teixeira disse que foram dias difíceis e agradeceu todo o apoio que recebeu

Por Andrezza Buzzani, às 17:52 - 13/10/2021

00:00 / 00:00

O assistente de logística e músico foi preso no dia 4 de outubro (Foto: Eber Xavier)

O jovem de 21 anos preso após ser confundido com o filho de um traficante, que teria envolvimento com o crime organizado, deixou a prisão. Nesta quarta-feira (13), a Justiça do Rio determinou a soltura de Vinicius Matheus Barreto Teixeira.

O assistente de logística e músico, preso no dia 4 de outubro, deixou a Cadeia Pública de Benfica, na Zona Norte do Rio, durante a tarde. Vinicius disse que foram dias difíceis e agradeceu todo o apoio que recebeu durante o tempo.

Agora, passada a angústia, a mãe de Vinicius, Paula Barreto, diz que quer levar o filho de volta para casa.

Segundo a família, Vinicius foi confundido com o filho do chefe do tráfico do Morro do Urubu, em Pilares, na Zona Norte do Rio. O criminoso, conhecido como Feio, tem o mesmo nome do pai de Vinicius: Messias Gomes Teixeira.

O pai de Vinicius, Messias Teixeira, questiona a demora da justiça.

Na decisão, a juíza Juliana Ferraz, da 4ª Vara Criminal de Niterói, na Região Metropolitana, disse que foi juntado nos autos o comprovante de residência e a cópia da carteira de trabalho de Vinicius, além de não ter sido identificado nenhum indício de prova contra ele.

A juíza também destacou que a identificação e a qualificação de qualquer investigado são feitas pela Polícia Civil e confirmadas pelo Ministério Público.

O jovem foi denunciado pelo Ministério Público do Rio por associação ao tráfico de drogas. A conclusão do MP teve como base o depoimento de um traficante, que, ao ser preso, disse que o filho do criminoso herdou a responsabilidade de coletar os lucros com a venda de drogas no Morro do Palácio, em Niterói, na Região Metropolitana, e de levar armas e munição para a favela.

Na semana passada, dois pedidos de habeas corpus, feitos pela a defesa de Vinicius e por um vereador, foram negados pelo plantão judiciário, que alegou não ter acesso aos autos e competência para julgar o caso.

Ainda na última quarta-feira (6), a defesa entrou com um novo pedido na 2ª Câmara Criminal. Nesta quarta-feira (13), o advogado de Vinícius solicitou mais um habeas corpus na 4ª Vara Criminal de Niterói, além da primeira defesa pedindo o arquivamento do processo.

Procurada, a Polícia Civil disse que vai instaurar um procedimento disciplinar para apurar o caso. Em nota, a corporação afirmou que pode ter ocorrido alguma falha nas investigações que geraram o inquérito.

O Ministério Público não respondeu. 

A Ordem dos Advogados do Brasil no Rio, que acompanha o caso, também emitiu uma nota dizendo ter ficado inconformada e indignada com a prisão.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU