TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Teleférico do Alemão completa três anos sem funcionamento - Editoriais - Band News FM

Cidade

Texto:
+
-

Teleférico do Alemão completa três anos sem funcionamento

A construção custou R$ 253 milhões para os cofres públicos

Por Clara Nery, às 18:48 - 14/10/2019 | Atualizado às 18:59 - 14/10/2019

O teleférico começou a operar em julho de 2011 e parou de funcionar em outubro de 2016 (Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio)

A construção do Teleférico do Alemão, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio custou R$ 253 milhões para os cofres públicos. O resultado disso é que completa-se três anos sem funcionar, nesta segunda-feira (14), por conta de falta de verbas.

O teleférico começou a operar em julho de 2011 e parou de funcionar em outubro de 2016. Isso porque um dos fornecedores não recebia os repasses desde abril.

Quem utilizava o transporte diariamente reclama do abandono do teleférico. É o caso do Vicente Souza, que ainda chama atenção para os roubos dos equipamentos do local.

O governo afirmou que há planos para retomar as atividades até o fim de 2019. A retomada do funcionamento do serviço, interrompido logo após os Jogos Olímpicos, em 2016, está entre as 203 metas prioritárias divulgadas pelo governador Wilson Witzel para os 180 primeiros dias de seu mandato.

Os moradores encaram com desconfiança a promessa de que o serviço será retomado até o fim do ano, como explica a ouvinte Caroline Pugliese.

Em setembro deste ano, técnicos da Poma do Brasil Teleféricos e Funiculares, contratada pelo governo estadual, fizeram inspeções nas seis estações do teleférico (Bonsucesso, Adeus, Baiana, Alemão, Itararé e Palmeiras) para verificar as condições operacionais do equipamento e orçar uma obra de recuperação para que ele volte a funcionar.

Diante das vistorias, o líder comunitário, Rene Silva, cobra pelo funcionamento do teleférico.

De acordo com a Secretaria estadual de Transportes, ainda não há previsão exata para o retorno do transporte, mas estudos já estão sendo feitos.

Em outro ponto do Rio, na favela da Providência, no Centro, a situação se repete. O teleférico só funcionou no período entre a Copa do Mundo e as Olimpíadas no Rio, de 2014 a 2016.

O Guia de turismo da comunidade, Cosme Felippe, reclama da falta de funcionamento do teleférico da Providência, diante da grande quantidade de dinheiro investido nas obras. Ele ainda chama atenção para o prejuízo que isso causou na comunidade.

A obra teve um investimento de R$ 75 milhões. Além de impossibilitar o trânsito dos moradores das comunidades, a paralisação também prejudica o turismo local. Procurada, a Secretaria Estadual de Transportes ainda não deu um prazo definitivo para a volta do funcionamento dos teleféricos.

Ouça a reportagem completa clicando no player de áudio.

NEWSLETTER
OU