TRANSPORTES

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Traficantes são indiciados após explosão matar mulher durante baile clandestino na Rocinha - Editoriais - Band News FM

Polícia

Texto:
+
-

Traficantes são indiciados após explosão matar mulher durante baile clandestino na Rocinha

Uma caixa com frascos de lança-perfume pegou fogo e explodiu, atingindo Ana Carolina Gonçalves

Por Rafaela Cascardo, às 12:32 - 22/07/2021

00:00 / 00:00

Ela chegou a ser levada para o hospital, mas não resistiu (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

A Polícia Civil indiciou dois traficantes pela morte de Ana Carolina Gonçalves de Oliveira Negreiros, após a explosão de uma caixa com lança-perfumes durante um baile funk clandestino, na Rocinha, na Zona Sul do Rio.

John Wallace da Silva Viana, o Johnny Bravo, e Leandro Pereira da Rocha, o Bambu, apontados como chefes do tráfico na comunidade, vão responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, apologia ao crime, associação ao tráfico e por causar epidemia, já que o baile aconteceu no dia 30 de maio, durante a pandemia da Covid-19.

Segundo a investigação, as drogas pegaram fogo e atingiram Carolina, que estava perto do balcão onde os entorpecentes estavam expostos. Ela chegou a Unidade de Pronto Atendimento da região andando, por volta de 7 horas. Com a ajuda de funcionários, ela sentou numa cadeira de rodas e logo perdeu a consciência.

De acordo com a delegada Flávia Monteiro, outras pessoas ficaram feridas na ocasião, mas sem gravidade.

Carolina era moradora da Rocinha e costumava frequentar o baile Moscow. Os traficantes fazem o evento semanalmente para vender drogas e arrecadar dinheiro para a facção criminosa. Depois da morte da estudante, o baile chegou a ser suspenso por algumas semanas, mas a Polícia já tem informações de que o evento voltou a ser realizado.

Há outros sete mandados de prisão em aberto contra os dois traficantes, por tráfico de drogas, associação para o tráfico e homicídio. Johnny Bravo assumiu o comando do tráfico da Rocinha após divergências entre Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, e Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, há cerca de quatro anos.

O disque-denúncia divulgou cartazes oferecendo recompensa de R$ 1 mil para quem passar informações que levem à captura de Johnny Bravo e Bambu. O número é 2253-1177.

NEWSLETTER
OU